Qual é a história dos Arcos da Lapa?

Qual é a história dos Arcos da Lapa?

Da lua de mel na Saga Crepúsculo às novelas globais, qualquer produção encenada no Rio de Janeiro precisa mostrar os Arcos da Lapa, construídos no século XVIII, e cartão postal da cidade.

Se você pretende visitar a capital, reserve um espaço na agenda para ir ao local. Inclusive, para te ajudar, vou explicar qual é a história dos Arcos da Lapa.

Mais do que cenário belíssimo para noites de samba e passagem de bondinhos, os Arcos da Lapa simbolizam o marco da arquitetura colonial.

Com isso, conservam a história de um país totalmente diferente do que você conhece hoje e como a sociedade era na época.

Construídos no século XVIII, os Arcos da Lapa representam a influência da colonização portuguesa no desenvolvimento do Brasil. Nisso, se constrói a história dos Arcos da Lapa.

Vou falar um pouco deste cartão postal, antes já expliquei quem construiu o Cristo Redentor e também detalhei um pouco das festas populares mais famosas do estado.

Qual é a história dos Arcos da Lapa?

Também conhecidos como Aqueduto da Carioca, os Arcos da Lapa foram construídos no século XVIII, mais precisamente entre 1725 e 1744. A obra tinha, como principal objetivo, abastecer a cidade com a nascente do Rio Carioca, interligando-a ao Largo da Carioca.

A ideia era sanar o problema de abastecimento de água, mas ironicamente, a colocação dos canos demorou um século. A obra tinha, como inspiração, o Aqueduto das Águas Livres, de Lisboa.

O primeiro projeto trouxe uma estrutura com canos de ferro, porém, o material começou a apresentar corrosão. Assim, Gomes Freire de Andrade, governador da época, ordenou a reconstrução dos Arcos da Lapa com materiais mais resistentes e seguros.

Foi aí que os arcos pedra e cal foram acrescidos à estrutura do Aqueduto, misturando-as ao óleo de baleia. A liga de concreto resistente foi, inclusive, base de construções como fortes, igrejas e outras edificações robustas.

Em 1896, os Arcos da Lapa passaram a ser utilizados como via para os bondinhos. Inclusive, esse era o principal acesso entre o centro e Santa Teresa.

Vale lembrar que a cor intensamente branca, chamada “caiado”, bem como a própria estrutura do aqueduto, fazem dos arcos uma das construções arquitetônicas mais simbólicas do Brasil Colonial.

Mais do que isso, os Arcos da Lapa significam desenvolvimento e atenção social. Além do abastecimento de água até o início do século XIX, as fontes públicas viraram pontos de encontro, uma vez que ficavam nas praças ou ao longo das ruas.

Ali, se reuniam também escravos e os negros libertos. O ponto de encontro servia para aliviar, pelo menos um pouco, a longa e pesada rotina de um trabalho árduo.

E aqui, uma curiosidade sobre a história dos Arcos da Lapa: até o final do século XIX, haviam casas incrustadas no aqueduto. Os imóveis só foram retirados entre 1902 e 1906.

A linha do tempo da história dos Arcos da Lapa

Além de resumir um pouco acima a história dos Arcos da Lapa, vale a pena traçar uma linha do tempo para ajudar a entender o processo de construção. Vamos lá!?

  • Começo dos anos 1600: início dos estudos para abastecimento da cidade pelo Rio Carioca;
  • 1624: assinado contrato para realização do condutor;
  • 1706: início da construção dos Arcos da Lapa, sob o governo de dom Fernando Martins Mascarenhas Lencastre;
  • 1717: obras de instalação dos canos de água na atual Rua Evaristo da Veiga;
  • 1720: chegada do encanamento ao Campo da Ajuda, atual Cinelândia;
  • 1723: conclusão da obra;
  • 1744: reconstrução dos Arcos da Lapa com pedras brasileiras;
  • 1750: entrega do novo curso da água, com as águas brotando no chafariz aos pés do Convento de Santo Antônio;
  • 1896: início do uso do aqueduto como viaduto, graças às novas soluções para abastecimento;
  • 1950: inauguração dos Arcos da Lapa como meio de transporte e ponto turístico.

Como é a estrutura dos Arcos da Lapa?

Ao conhecer a história dos Arcos da Lapa, você pode ter uma curiosidade sobre a sua estrutura. Como já mencionado, a construção colonial é feita com argamassa e pedra, formatada em estilo romano. Ao todo, são 42 arcos duplos com até 17,6 m de altura e 270 m de comprimento. 

Os Arcos da Lapa se estendem do Morro de Santa Teresa até o Convento das Carmelitas. Mesmo com a ampliação da mobilidade, a rota dos bondinhos permanece, transportando turistas e cariocas ao emblemático bairro.

Os Arcos da Lapa hoje

Com o passar do tempo, os Arcos da Lapa foram se tornando um dos principais cartões postais do Rio de Janeiro. Isso porque eles representam o chamado Rio Antigo, trazendo consigo a boemia e história do bairro. 

Entretanto, a estrutura sofre os efeitos da falta de preservação, além da presença de lixo e pessoas dormindo sob os arcos. Fato que, aliás, reflete a desigualdade social.

A história dos Arcos da Lapa mostra a evolução arquitetônica do Rio de Janeiro, além de contribuir para o desenvolvimento da cidade.

Antes, o Rio era abastecido com o absurdo uso de mão de obra escrava, o que foi abolido com a finalização do aqueduto.

Você teve aqui a chance de conhecer um pouco mais sobre a história dos Arcos da Lapa. Eu vou trazer, em breve, detalhes sobre outros cartões postais da cidade.

Aproveite e escreva aqui nos comentários sobre o assunto que você tem mais curiosidade, vou abordá-lo em um outro artigo!

Depois de ler aqui e entender qual é a história dos Arcos da Lapa, aproveite veja ainda:

Cachoeiras mais bonitas do Rio de Janeiro

Descubra o que fazer em Paraty

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.